Notícias

Vejam as últimas notícias da ENE

HomeNotícias

PSG voa, e Neymar agora tem participação em dois dos melhores inícios da história da Champions

(Neymar agora tem participação em dois dos melhores começos da Champions; Foto: Getty Images)

O Paris Saint-Germain está pronto para voos mais altos na Uefa Champions League?

Essa certamente é a pergunta que todos se fazem desde que o time resolveu abrir de vez os cofres para contratar Neymar e Mbappé. E, até agora, a resposta tem sido bastante positivas.

Nos três primeiros jogos na competição europeia, foram três vitórias. Mais que isso: com 12 gols marcados e nenhum sofrido, o PSG conseguiu igualar o melhor começo de um time na história da competição – vitórias para cima de Celtic (5x0), Bayern de Munique (3x0) e Anderlecht (4x0).

E, curiosamente, igualou uma marca que seu grande astro já tinha.

Os outros times que conseguiram começar o torneio com 9 pontos e 12 gols de saldo foram o Arsenal, em 2010, e o Barcelona, no ano passado, com Neymar no elenco.

O Barça da temporada passada fez ainda mais gols (13), mas sofreu um. Foram triunfos para cima de Celtic (7x0), Borussia M’Gladbach (2x1) e Manchester City (4x0).

Neymar fez dois gols e distribuiu cinco assistências nesse início do time espanhol.

Agora, com o PSG, o brasileiro volta a ter bons números, mas é até mais tímido em termos de participação em gols: três bolas na rede e duas assistências.

Em 2010, o Arsenal foi até melhor ofensivamente: com os mesmos nove pontos, anotou 14 gols e tomou dois. Os rivais foram Braga (6x0), Partizan (3x1) e Shakhtar Donetsk (5x1).

A tristeza para o PSG é que nem Arsenal e nem Barcelona foram campeões nesses anos. Os ingleses caíram para o próprio Barça nas oitavas de final, enquanto os espanhóis foram eliminados nas quartas pela Juventus.

Fonte: ESPN

Compartilhar

Inter joga mal e fica no 0 a 0 com o Boa Esporte em Varginha

Apesar do resultado, Colorado se mantém na liderança (Foto: Ricardo Duarte/ SCI)

Em partida fraca tecnicamente, Boa Esporte e Internacional empataram sem gols em Varginha pela 30ª rodada da Série B. Com o resultado, o time gaúcho se mantém na liderança do torneio com 58 pontos. Os mineiros alcançaram os 38 pontos.

O Internacional teve três desfalques em relação à última rodada. Sem Eduardo Sasha e Edenílson (suspensos), o técnico Guto Ferreira optou pelo meia Camilo na extrema esquerda e pelo jovem Jéferson na posição do experiência Edenílson. Além deles, o centroavante Leandro Damião foi ausência. Com dores musculares, o jogador ficou em Porto Alegre se recuperando. Assim, o uruguaio Nico López entrou no time.

O Boa Esporte teve o retorno dos jogadores Escobar, Ruan, Fellipe Mateus e Thaciano. Os quatro haviam sido poupados na última rodada pelo técnico Nedo Xavier, visando o duelo contra o Internacional. Os desfalques do treinador foram os atletas Ramon, Josué e Elivélton.

O JOGO

O Internacional começou o jogo pressionando. Em cobrança de escanteio, no primeiro minuto da partida, D’Alessandro cobrou baixo na primeira trave e o volante Charles deu uma leve desviada para o meio da área. O zagueiro colorado Danilo Silva apareceu para concluir, mas Douglas Assis salvou colocando o pé e mandando para a linha de fundo.

Aos 8 minutos, o Internacional teve outra grande oportunidade. O uruguaio Nico López fez uma bela jogada individual, avançou pelo meio e concluiu forte à meta, mas o goleiro Fabrício espalmou para a linha de fundo. Um minuto depois, Nico lançou William Pottker, que entrava na área pela esquerda. O camisa 99 tentou finalizar de primeira, mas pegou mal de perna esquerda e a bola foi para fora.

Aos 26 minutos, o Boa Esporte quase abriu o marcador. Em cobrança de falta, Reis bateu direto ao gol, a bola desviou na barreira e enganou o goleiro Danilo Fernandes. O arqueiro colorado estava batido no lance, mas a redonda foi para fora. Na cobrança de escanteio, Reis mandou na primeira trave e Escobar, livre de marcação, desviou de cabeça. A bola passou sob o travessão.

Os dois times chegavam com perigo em jogadas iniciadas com a bola parada. Em cobrança de falta na esquerda de ataque, aos 36 minutos, o argentino D’Alessandro cruzou curto e o lateral-direito se antecipou e desviou. A bola passou perto da trave direita de defesa do goleiro Fabrício.

Após fazer falta forte em Paulinho, o lateral-direito Claudio Winck recebeu cartão amarelo. O terceiro do jogador que desfalcará o Inter na próxima partida contra o Criciúma, no estádio Heriberto Hülsen.

Em um momento de desatenção, aos 42 minutos, o volante Charles foi desarmado por Wesley na entrada da área. O atacante do Boa avançou pelo meio e, pressionado pela marcação, chutou rasteiro para o gol. A bola saiu fraca e Danilo Fernandes defendeu com tranquilidade.

SEGUNDO TEMPO

O Internacional retornou ao campo com uma mudança no time. O técnico Guto Ferreira tirou o garoto Jéferson e colocou o chileno Felipe Gutiérrez. O Boa Esporte voltou do vestiário sem alterações.

A segunda etapa começou sem intensidade e com poucas chances claras de gol. Apenas aos 11 minutos, em contra-ataque rápido, Ruan carregou a bola até a entrada da área e finalizou tentando encobrir o goleiro Danilo Fernandes. Contudo, o lateral pegou muito embaixo da bola que saiu pela linha de fundo.

Aos 15 minutos, o meia Camilo arriscou de muito longe, quando se aproximava do gol, a bola começou perder altitude e passou perto da meta defendida por Fabrício.

Em contra-ataque, o Boa Esporte chegou com perigo pelo alto. Reis escapou pela esquerda e cruzou para Wesley subir sozinho e cabecear. A bola foi no meio do gol e o goleiro Danilo Fernandes agarrou com as duas mãos com tranquilidade.

Aos 28 minutos, após troca de passes dos jogadores do Boa Esporte, Reis recebeu livre dentro da grande área pela esquerda, mas no momento da conclusão o lateral Claudio Winck apareceu. A bola explodiu no jogador que ainda evitou o escanteio mandando para lateral.

O duelo teve um longo período sem ataques. Já no final da partida, aos 44 minutos, o Internacional quase marcou na melhor jogada colorada na segunda etapa.O lateral Uendel lançou na área e o atacante William Pottker dominou na direita. O camisa 99 avançou em direção ao gol, mas chutou para fora.

Antes do apito final, Pottker cruzou para Uendel cabecear, mas a bola bateu na rede pelo lado de fora.

As duas equipes retornam a campo na 31ª rodada da Série B. Na sexta-feira, às 20h30 (de Brasília), o Boa Esporte enfrenta o CRB no estádio Rei Pelé, em Maceió (AL). No sábado, às 16h30 (de Brasília), o Internacional visita o Criciúma, no estádio Heriberto Hülse, em Criciúma (SC).

FICHA TÉCNICA
BOA ESPORTE 0 X 0 INTERNACIONAL
Local: Estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG)
Data: 17 de outubro de 2017, terça-feira
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento – AL
Assistentes: Pedro Jorge Santos de Araújo – AL e Rondinelle dos Santos Tavares – AL

CARTÕES AMARELOS
Boa Esporte: Ruan
Internacional: Camilo, Claudio Winck, Charles

Fonte: Gazeta Esportiva

BOA ESPORTE: Fabrício; Ruan, Caíque, Douglas Assis e Paulinho; Escobar, Diones (Lucas Hulk), Fellipe Mateus (Igor Amaral), Reis e Wesley (Rodolfo); Thaciano.
Técnico: Nedo Xavier

INTERNACIONAL: Danilo Fernandes; Claudio Winck, Danilo Silva, Victor Cuesta e Uendel; Charles, Jéferson (Felipe Gutiérrez), Nico López (Carlos), D’Alessandro, Camilo (Roberson); William Pottker.
Técnico: Guto Ferreira

 

 
Compartilhar

Sub R$185 milhões: mesmo sem Vinicius Jr., seleção brasileira tem alto valor de mercado

(Brenner comemora gol da seleção brasileira no Mundial sub-17; Foto: Divulgação/CBF)

O diário "AS", da Espanha, publicou nesta terça-feira que o Barcelona está de olho no jovem Lincoln, do Flamengo. O atacante de 16 anos é o artilheiro da seleção sub-17 até aqui, com três gols em três jogos no Mundial da Índia. De acordo com a publicação, a equipe da Catalunha já realizou as primeiras sondagens para contar com o jogador. O preço de Lincoln? A equipe carioca teria estipulado o valor de 30 milhões de euros (R$ 111,6 milhões na atual cotação) como suficiente para liberá-lo. Ou seja, a multa rescisória. 

Quando fechou a lista de convocados para o Mundial, o técnico Carlos Amadeu incluiu o atacante Vinicius Junior, também do Flamengo. Considerado o melhor jogador do mundo da categoria, na última hora Vinicius não foi liberado pelo Rubro-Negro. Ele seria o jogador mais caro da seleção brasileira sub-17. Em maio, foi vendido ao Real Madrid por 45 milhões de euros (cerca de R$ 164 milhões). 

- Chamou a atenção a venda do Vinicius. Acho que foi bom para ele e para todos, porque parece que abriu um leque para essa nova geração que está surgindo. Se ele tiver cabeça, vai aproveitar muito bem. Como essa visibilidade que tem o Mundial pode dar para a gente também - disse o atacante Paulinho.  

Mas a seleção que está na Índia, e nesta quarta-feira joga contra Honduras pelas oitavas de final, é valiosa mesmo sem Vinicius Junior. A reportagem do GloboEsporte.com levantou os valores da multa rescisória de alguns dos principais atletas da equipe. Cifras que impressionam, já que a maioria dos 21 convocados sequer faz parte da equipe principal dos seus clubes. 

Paulinho, do Vasco, e Brenner, do São Paulo, estão entre as exceções. Os atacantes já trabalham nos times de cima, e o valor de mercado deles também subiu. Pouco antes de se apresentar ao técnico Carlos Amadeu, Brenner renovou o contrato com o São Paulo. O novo vínculo tem duração de cinco anos e vai até setembro de 2022. A multa rescisória agora é de R$ 100 milhões para clubes brasileiros e 50 milhões de euros (R$ 186,5 milhões) para times do exterior - quantia que superaria o preço que o Real Madrid pagou por Vinicius Junior. 

 

No início do ano, logo após se destacar na conquista do Sul-Americano sub-17, Paulinho renovou seu contrato com o Vasco até janeiro de 2020. Este foi o prazo máximo que o clube pôde colocar, pois atletas de até 17 anos só podem assinar vínculos até por três anos. Em julho, após fazer dois gols sobre o Atlético-MG, o camisa 7 do Brasil tornou-se o primeiro jogador nascido neste milênio a fazer gol no Campeonato Brasileiro. O GloboEsporte.com apurou que a multa rescisória dele é de 30 milhões de euros (R$ 111 milhões na cotação atual). O Vasco preferiu não comentar a informação. 

Em São Paulo, outras três joias valiosas

Dois jogadores do Palmeiras são titulares do Brasil sub-17. Na zaga, Vitão. No meio, Alanzinho. E eles também estão na lista dos mais valiosos da equipe. Alto e com personalidade de comandante, Vitão é um dos destaques da base palmeirense e da seleção brasileira. No Verdão, ele já até chegou a atuar na equipe principal e entrou na lista da Libertadores da América deste ano. O contrato do zagueiro com o clube foi renovado até maio de 2020. O jogador tem 60% dos direitos vinculados ao Verdão – os outros 40% pertencem a terceiros. A multa para tirá-lo do clube é de R$ 50 milhões. 

 
Vitão, zagueiro do Palmeiras e da seleção sub-17 (Foto: CBF)

Vitão, zagueiro do Palmeiras e da seleção sub-17 (Foto: CBF) 

 

O valor é o mesmo estabelecido pelo Palmeiras por Alanzinho, que também tem contrato até maio de 2020. A diferença é que no caso do camisa 10 da seleção sub-17 o Verdão é dono de 100% dos direitos econômicos. 

Vitinho já foi titular da seleção brasileira sub-17 e quase sempre é a primeira opção do técnico Carlos Amadeu no segundo tempo. O meia-atacante de 17 anos é tratado como uma das principais promessas do Corinthians para os próximos anos. Embora tenha sido campeão da Copa São Paulo de Juniores em janeiro, ele era apenas o caçula da equipe e não foi um dos protagonistas da conquista, como se habituou em outras categorias. Vitinho passa por um trabalho de fortalecimento muscular no seu clube e já ganhou cinco quilos de massa magra. O valor dele também encorpou. Se alguém quiser tirá-lo do Timão, precisará desembolsar cerca de R$ 74 milhões. 

Cifras elevadas também em Minas e no Sul

Na seleção sub-17, os nomes mais badalados são Lincoln e Paulinho, os atacantes. Mas há espaço, e muito, para os defensores. Pupilo do goleiro Fábio, do Cruzeiro, Gabriel Brazão tem feito ótimas partidas no Mundial da Índia. É tratado com muito cuidado pela direção cruzeirense, que enxerga nele potencial para suceder Fábio dentro de alguns anos. 

 
Brazão goleiro Brasil sub-17 (Foto: Gregorio Fernandes/CBF)

Brazão goleiro Brasil sub-17 (Foto: Gregorio Fernandes/CBF) 

 

Brazão tem um valor para negociação para o exterior e outra para o mercado nacional. Para clubes de fora, o preço está estabelecido em 45 milhões de euros (R$ 167 milhões). Para clubes brasileiros, R$ 5 milhões. 

No meio campo do Brasil, o volante Victor Bobsin é outro que se destaca. É jogador de confiança do técnico Carlos Amadeu. O camisa 5 tem contrato com o Grêmio até março de 2019 e vale R$ 74 milhões de reais. 

- Acho que a projeção deles está acontecendo, estão conquistando espaço. São jogadores de apenas 17 anos. No caso do Lincoln, um jogador de apenas 16 anos, vai completar 17 agora em dezembro. Já estão em categorias acima, o Paulinho já tem atuado na equipe principal no clube dele (Vasco), o Brenner já teve a oportunidade de atuar (no São Paulo), o Lincoln atua na equipe sub-20 (do Flamengo), mas quando veio para cá já estava treinando na equipe profissional. Então, as perspectivas, se continuarem trabalhando como estão focados, não tenho dúvida de que o futuro será muito positivo - analisou o técnico Carlos Amadeu. 

Brasil e Honduras se enfrentam nesta quarta-feira pelas oitavas de final. Se passar, a seleção vai enfrentar a Alemanha no próximo domingo, em Calcutá. 

A escalação do Brasil: Gabriel Brazão, Wesley, Vitão, Lucas Halter e Weverson; Victor Bobsin, Marcos Antônio e Alan; Paulinho, Lincoln e Brenner.
Técnico: Carlos Amadeu.
Local: Estádio Internacional Jawaharlal Nehru / Cochim, Índia.

Fonte: Globo Esporte

Compartilhar

Rockets estragam festa dos campeões e derrubam Warriors fora de casa em estreia na NBA

(Houston Rockets, de James Harden, venceu Golden State Warriors, de Stephen Curry, na NBA; Foto: Getty Images)

Atual campeão da NBA, o Golden State Warriors iniciou a luta pelo bicampeonato com uma derrota por 122 a 121 para o Houston Rockets, na Oracle Arena, na rodada de abertura da temporada regular na noite desta terça-feira. No ano passado, o mesmo aconteceu com a franquia californiana.

Antes do início da partida, os jogadores que participaram da última campanha receberam seus anéis de campeões e houve a inauguração na quadra do banner de campeão, o quinto da história dos Warriors. O brasileiro Anderson Varejão, dispensado, mas que receberá o anel, não participou da cerimônia.

Com a bola em jogo, o cestinha foi James Harden, com 27 pontos. O ala-armador foi auxiliado, principalmente, pelos reservas Eric Gordon e PJ Tucker, que contribuíram com 24 e 20, respectivamente.

Já Chris Paul, que trocou o Los Angeles Clippers pela equipe texana, estreou discretamente, fazendo quatro pontos, 11 assistências e oito rebotes. Considerando apenas quando o armador e Harden estiveram juntos em quadra, aliás, os Warriors tiveram vantagem de 13 pontos sobre os Rockets.

Pelos Warriors, o maior pontuador foi Nick Young, que em julho trocou o Los Angeles Lakers pelos atuais campeões, marcando 23 pontos na estreia saindo do banco. Os astros Stephen Curry e Kevin Durant também foram bem, respectivamente, com 22 e 20 pontos.

Durant, eleito MVP da última final da NBA, inclusive, poderia ter sido o herói de uma vitória dos Warriors. No último lance da partida, porém, o ala até converteu a cesta, mas os pontos não foram validados, já que, quando o cronômetro zerou, a bola ainda estava em suas mãos.

Na última temporada, quando acabaram com campanha de 67 vitórias e 15 derrotas, a melhor da NBA, os Warriors também foram batidos em casa na estreia, caindo diante do San Antonio Spurs (129 a 100).

Fonte: ESPN

 

Compartilhar

Santos sofre contra o Vitória, fica no empate e não encosta no Corinthians

(Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

O Corinthians perdeu para o Bahia no último domingo, em Salvador, e animou os santistas para a possibilidade de encostar na liderança do Campeonato Brasileiro. O único problema é que faltou combinar com o Vitória. Jogando mal, o Peixe viu o rubro-negro dominar boa parte do confronto e ficou apenas no empate em 2 a 2, na noite desta segunda-feira, no Pacaembu, pela 28ª rodada do torneio nacional.

A igualdade foi ruim para as duas equipes. Enquanto o Leão, com 33 pontos, segue coladinho na zona de rebaixamento, o alvinegro chegou aos 49, não encostou no Corinthians, que segue liderando com 9 pontos de vantagem, e ainda perdeu a segunda colocação para o Grêmio.

Na 29ª rodada, os santistas encaram o Sport, na próxima quinta-feira, às 21h (de Brasília), na Ilha do Retiro. No mesmo dia, mas às 20h, o Vitória recebe o Atlético-PR, em Salvador.

Vitória dominando e placar igual
Mesmo jogando fora de casa, o Vitória não se intimidou e começou a partida colocando o Santos ‘na roda’. Aos 11 minutos, Yago cobrou escanteio na área, Vanderlei saiu mal do gol e quase o time baiano abriu o marcador.

Apesar do susto, o Peixe seguiu perdido dentro de campo. Nervoso e errando muitos passes, a equipe comandada por Levir Culpi viu o Leão chegar ao gol aos 22 minutos. Após erro de Copete, Neilton tocou para Tréllez, que mandou para Fillipe Souto. O volante rolou para David dentro da área. O atacante teve calma para driblar Vanderlei e estufar as redes do Pacaembu.

A desvantagem não acordou o alvinegro, que seguiu sofrendo para chegar ao ataque. Além disso, o Vitória continuou sendo mais perigoso. Aos 28, Uillian Correia mandou uma bomba de longe e Vanderlei faz bela defesa para salvar o Santos.

E o famoso ditado do ‘quem não faz toma’ crucificou o time baiano aos 35 minutos. Mesmo sendo completamente dominado no Pacaembu, o Peixe chegou ao empate após Zeca cruzar e Jean Mota desviar de cabeça para bater o goleiro Caíque.

O Vitória não sentiu o gol e foi pra cima novamente. No lance seguinte, Yago bateu colocado de fora da área e Vanderlei espalmou. Depois, Ramon mandou pra fora.

Já no último minuto da primeira etapa, Lucas Lima cobrou falta dentro da área e Ricardo Oliveira desviou. A bola passou raspando a trave, mas o duelo foi para o intervalo empatado em 1 a 1.

Jogo movimentado e empate persiste 
Completamente dominado na primeira etapa, o Santos voltou melhor após o intervalo. Logo aos seis minutos, Copete cruzou na cabeça de Ricardo Oliveira. O centroavante, porém, não testou com firmeza e Caíque defendeu.

A Leão não se intimidou e mostrou que seguia com o mesmo ímpeto do primeiro tempo. Aos 11, David aproveitou contra-ataque, cruzou na área e Neilton mandou uma bomba no travessão.

No lance seguinte, Wallace recebeu na área após cobrança de escanteio e chutou firme, obrigando Vanderlei a salvar o Peixe mais uma vez.

Aos 19 minutos, porém, o goleiro santista não conseguiu segurar o zagueiro do Vitória. Após cobrança de escanteio, Wallace ganhou de David Braz e cabeceou com força para fazer 2 a 1.

O tento silenciou o Pacaembu. Porém, quando parecia que o Santos sentiria a pressão, Daniel Guedes cruzou na área, Serginho furou e Ramon mandou contra a própria meta, deixando tudo igual.

O jogo ficou aberto e eletrizante em São Paulo. Aos 31 minutos, Serginho ganhou da zaga, avançou e arriscou de fora da área. A bola passou perto do gol de Caíque e quase o Peixe alcançou a virada.

Na reta final do confronto, o Vitória passou a jogar mais recuado, esperando um bom contra-ataque para tirar a vitória. O Santos, por sua vez, trocou passes e abusou dos cruzamentos pouco eficientes na área, decretando o empate em 2 a 2 no Pacaembu.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 2 X 2 VITÓRIA

Data: 16 de outubro de 2017, segunda-feira
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo
Horário: 20 horas (de Brasília)
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Carlos Berkenbrock e Helton Nunes (ambos SC)
Público: 19.007
Renda: R$ 428.430,00
Cartões amarelos: SANTOS: David Braz, Alison. VITÓRIA: Caíque Sá, Wallace, Yago e Carlos Eduardo.

GOLS:
SANTOS: Jean Mota, aos 35 do 1T; Ramon (contra), aos 24 do 2T;
VITÓRIA: David, aos 22 do 1T; Wallace, aos 19 do 2T;

SANTOS: Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Alison, Matheus Jesus (Vecchio) e Lucas Lima; Copete (Serginho), Jean Mota (Lucas Crispim) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

VITÓRIA: Caíque; Caique Sá, Wallace, Ramon e Juninho; Uillian Correia, Fillipe Soutto e Yago (Patric); David (Danilinho), Neilton (Carlos Eduardo) e Tréllez.
Técnico: Vagner Mancini

Fonte: Gazeta Esportiva

Compartilhar

As contas do acesso: por rendimento e pela história, Inter precisa de só mais duas vitórias para subir

(Internacional está com um pé na elite nacional; Foto: EVERTON SILVEIRA/PHOTO PREMIUM)

A contagem regressiva para o acesso segue rolando no Beira-Rio. E, levando em conta o rendimento atual dos concorrentes e a história recente da Série B, o Internacional precisaria de apenas mais seis pontos para confirmar o que parece apenas uma questão de tempo.

O Inter é o atual líder da Série B com 57 pontos. São dez de vantagem para o quinto colocado, que hoje é o Vila Nova. Considerando que o time goiano mantenha o aproveitamento atual de 54%, ele conquistaria 15 dos 27 pontos em disputa e terminaria com 62.

Com mais duas vitórias, o Inter chegaria aos mesmos 62 pontos, mas levaria vantagem no número de triunfos: nessa projeção, seriam 19 dos colorados contra 18 do Vila Nova.

E mesmo considerando a história, o acesso está praticamente garantido com esses 62 pontos e 19 vitórias.

Das 11 edições da Série B nesse formato, só dois times fizeram mais pontos que isso e não subiram: Náutico (63 pontos em 2015) e São Caetano (incríveis 71 pontos em 2012). Além deles, a Portuguesa teve exatamente essa campanha (62 pontos e 19 vitórias) em 2010 e também acabou não ficando com a vaga na elite.

D’Alessandro, sobre Série B: 'Obrigação não é ganhar, obrigação é jogar bem'

De qualquer forma, pelo desempenho nos últimos jogos, parece inevitável que o Internacional vença até mais que dois jogos dos nove que faltam.

O primeiro deles pode ser já nesta terça-feira, quando o time vai até Varginha enfrentar o Boa Esporte, às 19h15 (de Brasília).

A chance da segunda vitória seria no sábado, diante do Criciúma, também fora de casa.

Se vencer as duas, o Inter não carimba o acesso matematicamente. Simbolicamente, porém, estará com os dois pés de volta na Série A.

FICHA TÉCNICA
BOA ESPORTE X INTERNACIONAL

Local: Estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG)
Data: 17 de outubro de 2017, terça-feira
Horário: 19h15 (horário de Brasília)
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL)
Assistentes: Pedro Jorge Santos de Araújo (AL) e Rondinelle dos Santos Tavares (AL)

BOA ESPORTE: Fabrício; Escobar, Caíque, Douglas Assis e Paulinho; Diones, Ruan e Fellipe Mateus; Reis, Thaciano e Rodolfo. Técnico: Nedo Xavier

INTERNACIONAL: Danilo Fernandes; Claudio Winck, Danilo Silva, Victor Cuesta e Uendel; Charles, Jéferson (Valdemir), Nico López, D’Alessandro, Camilo; William Pottker. Técnico: Guto Ferreira

Fonte: ESPN

Compartilhar

DISTRITO FEDERAL

Telefones Secretaria:
(61) 3381 9928
(61) 3254 6643
(61) 3263 8588
(61) 3263 8581

Whatsapp:
(61) 99575 9393

 


Atendimento Comercial

LUCAS CAETANO
(61) 99227 3742

JOÃO GABRIEL
(61) 99240 6734

RIO DE JANEIRO

(21)  2109-6857
(21) 97190 3073

JOINVILLE

(47) 3227 44 41
(47) 9609 0827

Console de depuração do Joomla!

Erros

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco