Notícias

Vejam as últimas notícias da ENE

HomeNotícias

As 5 coisas que o Brasil ainda precisa melhorar se quiser ganhar a Copa do Mundo

(Brasil classificou com sobras nas eliminatórias, mas ainda tem pontos a melhorar ;Foto: RICARDO BOTELHO/LATINCONTENT/GETTY IMAGES)

Enquanto outros times da América do Sul ainda estão se digladiando para somar os pontos necessários para garantir a classificação à Copa do Mundo da Rússia, o Brasil acompanha tudo com um leve desdém. É até difícil lembrar que após um terço das eliminatórias, a equipe verde e amarela estava em 6º lugar na tabela, e com muito medo de não chegar vivo a 2018. Então, Tite assumiu a vaga de Dunga e o time, com praticamente o mesmo grupo de jogadores, mostrou a diferença que um treinador de qualidade pode fazer. 

Desde então, o Brasil disparou e deixou todos para trás, acumulando uma incrível sequência dos resultados e, além de tudo, jogando bem, com um jogo que em muitos momentos lembrou seus grandes esquadrões do passado.

Mas alcançar a linha de chegada tão cedo não dá prêmios a ninguém no futebol. O único objetivo das eliminatórias é conseguir a classificação, seja atropelando todo mundo ou conseguindo a vaga na bacia das almas contra a Nova Zelândia na repescagem. O verdadeiro trabalho duro ainda virá em 2018.

Até lá, quais são os problemas que o Brasil ainda precisa resolver para garantir que estará pronto na hora H, ou seja, em junho/julho do ano que vem, na Rússia

1. Não atingir o auge tão cedo

 

Alguns meses antes da última Copa do Mundo, o então técnico do Brasil, Luiz Felipe Scolari, era a confiança em pessoa.

"Já fizemos nossa parte. Encontramos o time", disse o treinador. A escalação que bateu a Espanha por 3 a 0 na final da Copa das Confederações de 2013 já estava fixada em sua mente como o time que iria ganhar a Copa do Mundo no ano seguinte.

Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar; Hulk, Neymar e Fred.

Hoje, todos sabem o destino que essa escalação teve...

Olhando o retrospecto, fica claro que foi dada muita importância à Copa das Confederações. E a ideia de "cementar" um time titular um ano antes do Mundial foi outro erro feio.

É verdade que Tite precisa mostrar lealdade àqueles que estão bem sob seu comando até agora, mas também tem que promover competição por lugares entre os titulares. Dessa forma, ele conseguirá opções confiáveis em caso de lesões ou de jogadores que entrem em má fase.

Só assim ele evitará um auge-precoce e deixará os titulares absolutos sempre com a pulga atrás da orelha..

2. Lembrar que ainda não enfrentaram os melhores

 

Animados pelas ótimas performances desde que a seleção foi assumida por Tite, muitos na imprensa brasileira já proclamam o Brasil como grande favorito ao título em 2018. Isso parece prematuro, e até perigoso se o treinador também cair nessa "armadilha" - o que não parece ser seu caso.

As Copas do Mundo recentes demonstraram claramente a superioridade das equipes da oeste da Europa, que chegaram em cinco das últimas seis finais. Além disso, as atuais safras de muitos países sul-americanos, exceto o Brasil, são com certezas as piores em muito tempo.

Nenhum outro país da Conmebol deve estar muito feliz com a maneira como sua seleção está jogando no momento. O 2º colocado Uruguai, por exemplo, está virtualmente classificado, mas fez uma campanha cheia de altos e baixos, enquanto as outras vagas das eliminatórias sul-americanas ainda estão indefinidas.

Os verdadeiros testes para o Brasil, portanto, ainda estão por vir.

A equipe de Tite terá um teste em breve contra a Inglaterra, que não é no momento uma equipe top da Europa, mas será um adversário bastante interessante. E, em março, virá a esperada visita à Alemanha.

O Brasil, portanto, deve lembrar que, antes de se animar tanto, ainda precisa enfrentar competitivamente países como Alemanha, França, Espanha e Bélgica, estes sim os melhores times da Europa no momento.

3. Cobrir os espaços deixados pelos laterais

 

Calçade: 'Essa ideia de que a seleção brasileira está pronta, para mim, não é verdadeira'

As costas de seus laterais são os pontos mais vulneráveis do Brasil.

O ala direito Daniel Alves terá 35 anos na Copa do Mundo. E, apesar de toda a sua magnífica habilidade no ataque, ele nunca foi durante a carreira um grande exemplo de marcador - e, neste estágio da vida e carreira, é pouco provável que melhore nesse sentido.

No outro flanco, Tite finalmente conseguiu tirar de Marcelo tudo aquilo que se esperava do astro do Real Madrid com a camisa da seleção, mas ele é outro jogador que é muito melhor na frente do que atrás.

E mesmo nos melhores dias do Brasil nas eliminatórias, houve momentos em que os oponentes conseguiram explorar com perigo o espaço deixado nas costas dos laterais. Contra um time top da Europa, capaz de reter a posse de bola de maneira sólida no meio-campo, isto pode ser um grande problema para Tite e cia.

4. Controlar o emocional

 

William Tavares destaca melhoria na forma de jogo do Brasil com Tite: 'Hoje em dia, me dá prazer ver a Seleção'

Apesar de todas as deficiências que o time do Brasil tinha na Copa do Mundo de 2014, o histórico 7 a 1 sofrido para a Alemanha na semifinal foi, mais do que tudo, um colapso emocional.

E a possibilidade da seleção brasileira perder a cabeça ainda existe - e foi inclusive demonstrada recentemente no péssimo primeiro tempo da equipe verde e amarela contra o Equador, em São Paulo, pelas eliminatórias.

O problema nesse dia foi Neymar, um jogador magnífico que parece estar pronto para arrebentar na Copa, mas que também possui uma tendência em sucumbir à petulância.

Contra os equatorianos, ele viveu um desses dias em que parece que seu objetivo é apenas fazer firulas e ficar arrumando faltas irrelevantes longe da área. Há um elemento de exibicionismo em seus "mergulhos" que frenquentemente irritam o adversários e deixam muitas partidas tensas sem qualquer necessidade. E, irritado pelas próprias faltas que ele tenta cavar, ou talvez porque muitas vezes os árbitros não as marcam, Neymar acaba entrando nesse clima sem necessidade.

Contra o Equador, ele levou um cartão amarelo bobo por uma falta feia. Incidentes como esse podem lhe tirar de um jogo importante de Copa do Mundo e prejudicar o Brasil na hora mais importante. Por isso, há uma necessidade enorme de que todos, mas principalmente Neymar, mantenham a compostura a todo momento.

5. Ter uma estrutura de liderança estabelecida

 
Mauro espera surpresas de Tite para Copa do Mundo e questiona meio de campo: 'Falta um talento'

Thiago Silva foi o capitão do Brasil na última Copa do Mundo. Não é preciso dizer que a escolha não fez sucesso...

Thiago não tem personalidade para fazer esse papel, e, de toda forma, agora nem é mais titular absoluto e luta por um lugar no 11 inicial de Tite.

Dunga, então, escolheu Neymar como capitão, mas, depois de um período, o camisa 10 deixou claro que não queria desempenhar esse papel.

Tite, então, ganhou um problema, para o qual arrumou uma excelente solução a curto-prazo: ele escolhe um capitão diferente por jogo. Isso se provou uma ótima estratégia de gestão de grupo e uma maneira de fazer cada jogador se sentir importante.

Mas está chegando a hora de fazer "a" escolha: a de quem será o capitão na Rússia. Principalmente porque caberá a este escolhido ser o homem que vai impôr ordem e acalmar a todos quando os possíveis descontroles emocionais ocorrerem no ano que vem, colocando o Brasil em posição de risco.

Ao longo da história, a seleção sempre ficou marcada por ter uma estrutura clara de liderança em campo, e Tite tem que trabalhar para que isso se repita com sua turma em 2018.


 

Tim Vickery é correspondente da BBC no Brasil cobre futebol sul-americano para o ESPN FC. O artigo original em inglês (Despite qualifying with ease, Brazil have areas to improve pre-World Cup) pode ser lido aqui

Fonte: ESPN

Compartilhar

Bola de Ouro: Neymar, Coutinho e Marcelo estão entre os 30 finalistas

(Neymar é um dos candidatos ao prêmio Bola de Ouro; Foto: Reprodução)

A revista "France Football" começou a divulgar na madrugada desta segunda-feira os nomes dos 30 finalistas na disputa pela Bola de Ouro. O atacante brasileiro Neymar, do Paris Saint-Germain, foi o primeiro jogador a ser divulgado, seguido pelo croata Modric, do Real Madrid. Também foram revelados os nomes de Dybala (Juventus), Marcelo (Real Madrid) e Kanté (Chelsea). 

Na sequência, a revista francesa apontou mais cinco finalistas na disputa pela Bola de Ouro: Philippe Coutinho (Liverpool), Suárez (Barcelona), Sergio Ramos (Real Madrid), Mertens (Napoli), e o goleiro Oblak (Atlético de Madrid). 

A lista de cinco candidatos seguintes não inclui nenhum brasileiro, e conta em sua maioria com atacantes. De Bruyne (Manchester City), Lewandowski (Bayern), De Gea (Manchester United), Kane (Tottenham) e Dzeko (Roma) foram os indicados. 

Ao longo do dia, a "France Football" vai informar os outros jogadores finalistas que concorrem ao prêmio. Cada lista divulgada pela publicação terá mais cinco nomes até completar os 30 jogadores selecionados.  

Tradicional honraria do futebol mundial, a Bola de Ouro foi criada em 1956 com o objetivo de escolher o melhor jogador europeu do ano. A partir de 1995, atletas que nasceram em outros países passaram a concorrer. Em 2010, um acordo entre "France Football" e Fifa unificou os dois principais prêmios do futebol, tornando a Bola de Ouro a referência para o melhor jogador do planeta. A parceria acabou em 2015 e os prêmios voltaram e ser oferecidos de forma separada. 

Os maiores vencedores da Bola de Ouro, considerando também o período do acordo com a Fifa, são Messi, Cristiano Ronaldo e Platini. O argentino levou cinco vezes (2009, 2010, 2011, 2012, 2015), enquanto o português ganhou em 2008, 2013, 2014, 2016. Michel Platini ganhou três vezes o prêmio (1983, 1984, 1985). 

O atual vencedor da Bola de Ouro é o português Cristiano Ronaldo. Ele recebeu a notícia do prêmio em 2016 em Yokohama, quando estava com o Real Madrid na disputa do Mundial de Clubes da Fifa. O time espanhol se sagrou campeão do torneio.

Fonte: Globo Esporte

Compartilhar

Rio vira para cima do Fluminense e sai na frente na final do Carioca feminino

Fabi vibra com ponto do Rio de Janeiro (Foto: Erbs Jr/Sesc-RJ) 

O Rio de Janeiro saiu na frente do Fluminense na decisão do Carioca feminino. Nesta quinta, os times se enfrentaram no Tijuca no primeiro jogo da final, e a equipe do técnico Bernardinho venceu de virada por 3 sets a 1 (parciais de 20/25, 25/20, 25/23 e 25/23). A segunda e última partida será no próximo domingo, às 21h, na Hebraica, com transmissão ao vivo do SporTV. Em caso de vitória do Fluminense por qualquer placar, será jogado um golden set de 25 pontos para definir o campeão. 

Com 27 títulos estaduais, o Tricolor é o maior vencedor da competição. O Rio, que foi campeão seguidamente de 2004 a 2015, tem 12 títulos, seguido por Botafogo, com nove, e Flamengo, com oito. No ano passado, o Flu bateu o Rio na final. 

- O time ainda está sem ritmo. Não jogamos amistosos antes dessa partida, e as meninas que estavam na seleção se juntaram ao grupo há duas semanas. Já o Fluminense se reforçou e vinha jogando antes desse encontro de hoje. A gente sabe que jogo contra o Fluminense é duro, decidido nos detalhes e assim vai ser no domingo - comentou a líbero Fabi. 

Contando com o apoio do goleiro Diego Cavalieri, que foi ao jogo prestigiar a namorada Lara Nobre, central tricolor, o Fluminense começou um pouco melhor, chegando a abrir três pontos de frente: 10 a 7. A partir de então, o Rio reagiu, empatando numa bola de canto de Roberta. A virada veio numa bola de fundo de Drussyla. O Fluminense não se abateu e foi buscar nova reação. Num ataque central de Renatinha, o Tricolor fez 14 a 12. A partir de então, a equipe das Laranjeiras passou a dominar o set, fechando em 25 a 20 após bola fora de Roberta.  

O segundo set começou com um rali espetacular, finalizado num ponto de recepção de Gabi Guimarães para o Rio. O Flu reagiu nos minutos seguintes, mas Drussyla colocou mais uma bola no chão fazendo 6 a 4 para a equipe de Bernardinho. O jogo seguiu lá e cá até a metade do set, quando Drussyla fez 15 a 13 em bloqueio. Daí em diante, foi o Fluminense que passou a errar mais em quadra, e o Rio aproveitou para fechar o set em 25 a 20. 

Embalado, o Rio voltou melhor para o terceiro set, abrindo 6 a 3. Mesmo após tempo pedido pelo técnico Hylmer Dias, a equipe de Bernardinho continuou dominando, chegando a fazer 11 a 6. Foi aí que começou a brilhar a estrela da central Letícia Hage. Inspirada, a camisa 18 tricolor conseguiu três pontos em sequência, fazendo o Flu chegar ao empate: 11 a 11. Num erro de Mayhara, o time das Laranjeiras passou à frente, jogando pressão no Rio. A equipe de branco só conseguiu se recuperar na reta final do set, quando Monique fe 19 a 18. Foi a senha para o Rio se impor nos minutos finais e triunfar por 25 a 23. 

O quarto set começou equilibrado, com muitas alternâncias no placar. Numa pancada próxima à rede, Roberta fez 13 a 13, chamando a torcida do Rio. Só que o Flu voltou a contar com o grande momento de Letícia Hage, que fez 18 a 14. Num erro de ataque de Gabi Guimarães, o time das Laranjeiras marcou 20 a 17, ficando com o set na mão. Só que o Rio reagiu e foi buscar o empate num ataque de Monique: 23 a 23. A virada veio num ponto de Drussyla pela esquerda. O momento era todo do Rio, que conseguiu o ponto da vitória num bloqueio triplo. 

Rio de Janeiro: Roberta, Drussyla, Gabi Guimarães, Vivian, Mayhara e Monique. Líbero: Fabi. Reservas: Juciely, Natiele, Linda, Kasiely, Mikaella e Carol Leite. Técnico: Bernardinho. 

Fluminense: Thaís, Lara Nobre, Giovana, Letícia Hage, Renatinha e Michelle. Líberas: Fernanda e Sassá. Reservas: Arianne, Marcella, Clarisse, Jordane. Técnico: Hylmer Dias.

Fonte: Globo Esporte

Compartilhar

Tite afirma observar “em torno de 50 atletas” para lista final da Copa

(Foto: Pedro Martins / MoWA Press) 

“Ainda faltam oito meses, e temos atletas de alto nível. Estamos monitorando em torno de 50”, contabilizou o treinador, que já definiu uma base para o seu elenco ao longo das Eliminatórias.

O último jogo oficial da Seleção Brasileira antes da Copa do Mundo será contra o Chile, na terça-feira, no Palestra Itália. Tite fará algumas observações na partida – o goleiro Ederson, por exemplo, ganhará uma chance de substituir o titular Alisson.

Com somente mais um jogo a disputar nas Eliminatórias para a Copa do Mundo, o técnico Tite já começou a esboçar a relação de convocados da Seleção Brasileira para o Mundial da Rússia. Segundo ele, cerca de cinco dezenas de jogadores estão no páreo por 23 vagas em sua lista final.

“Ainda faltam oito meses, e temos atletas de alto nível. Estamos monitorando em torno de 50”, contabilizou o treinador, que já definiu uma base para o seu elenco ao longo das Eliminatórias.

O último jogo oficial da Seleção Brasileira antes da Copa do Mundo será contra o Chile, na terça-feira, no Palestra Itália. Tite fará algumas observações na partida – o goleiro Ederson, por exemplo, ganhará uma chance de substituir o titular Alisson.

“Não existe teste na Seleção. São oportunidades. Já tinha adiantado que colocaria o Ederson no próximo jogo porque seria desumano utilizá-lo na altitude, onde a possibilidade de erro é muito grande”, comentou, citando o empate por 0 a 0 com a Bolívia, em La Paz.

Após enfrentar o Chile, o Brasil terá amistosos contra o Japão, em 10 de novembro, em Lille, e a Inglaterra, no dia 14 do mesmo mês, em Londres. Em 2018, haverá testes contra a Rússia, em 22 de março, em Moscou, e a temida Alemanha, no dia 27 do mesmo mês, em Berlim.

“Cada convocação e cada treino são situações ímpares para mim. Não tenho muito tempo de Seleção e não conheço tanto os atletas. Passamos muito pouco tempo reunidos. Quando voltamos a estar juntos, queremos fazer tudo de uma vez porque o trabalho é importante, a busca pela sintonia fina”, comentou Tite, ressalvando que não fará mudanças profundas em sua equipe. “Queremos manter a estrutura.”

Fonte: Gazeta Esportiva

Compartilhar

Taubaté sai na frente do Corinthians na final do Paulista de vôlei

(Final será definida na casa do Corinthians; Foto: Corinthians/Divulgação)

Jogando em casa, o Taubaté levou a melhor, nesta quarta-feira, na primeira final do Campeonato Paulista de vôlei. A equipe do interior paulista venceu o Corinthians por 3 sets a 1, com parciais de 25/21, 25/19, 23/25 e 25/16.

O primeiro set começou bastante equilibrado, entretanto os mandantes sempre estiveram à frente do placar. O Timão conseguiu empatar em 15 a 15 e virou o confronto, contudo a equipe do interior do estado voltar a assumir a liderança e conseguiu fechar o placar em 25 a 21.

Assim como na primeira parcial, as duas equipes começaram trocando pontos e sem ninguém conseguir abrir muita vantagem. Quando as duas equipes estavam na casa dos 15 pontos, elas trocaram a liderança algumas vezes, entretanto o Taubaté conseguiu levar a melhor no final e ganhou por 25 a 19.

O Corinthians começou muito bem o terceiro set e abriu rapidamente 7 a 1, forçando o time da casa a parar a partida. Aos poucos o Taubaté foi se recuperando na parcial e empatou em 19 a 19. Na reta final, as equipes alternaram pontos e o Timão acabou vencendo por 25 a 23.

Nos dois últimos sets, o Corinthians só teve fôlego para um, mesmo assim, não conseguiu a virada no momento crucial do duelo e acabou vendo os adversário voltar à dianteira com um apertado 25/23. Em compensação, no último set da partida, o Taubaté sobrou. Otávio fechou o jogo em 25/16.

O confronto de volta será no sábado, dia 7 de outubro, às 21 horas (de Brasília), em Guarulhos. Na segunda partida, o Taubaté precisa apenas de uma vitória para ser campeão. Já o Corinthians precisa de um triunfo para levar o confronto para o set de ouro.

Fonte: Gazeta Esportiva

 

Compartilhar

Campeã de Roland Garros, Jelena Ostapenko garante vaga inédita no WTA Finals

(Jelena Ostapenko está no WTA Finals; Foto: Getty Images)

A letã Jelena Ostapenko, atual campeã de Roland Garros, garantiu matematicamente uma vaga no WTA Finals, que será disputado em Cingapura, entre 22 e 29 de outubro, divulgou nesta quarta-feira a WTA.

A tenista, de 20 anos, se junta assim à espanhola Garbiñe Muguruza, e também à outras cinco jogadoras: a romena Simona Halep, a tcheca Karolina Pliskova, a ucraniana Elina Svitolina e a americana Venus Williams e a dinamarquesa Caroline Wozniacki.

Dessa forma, falta apenas uma vaga para ser ocupada no WTA Finals, que, atualmente, seria da russa Svetlana Kuznetsova.

Esta será a primeira aparição de Ostapenko no torneio, que reúne as oito tenistas que mais fizeram pontos na temporada.

Fonte: ESPN

 

 

 

Compartilhar

DISTRITO FEDERAL

Telefones Secretaria:
(61) 3381 9928
(61) 3254 6643
(61) 3263 8588
(61) 3263 8581

Whatsapp:
(61) 99575 9393

 


Atendimento Comercial

LUCAS CAETANO
(61) 99227 3742

JOÃO GABRIEL
(61) 99240 6734

RIO DE JANEIRO

(21)  2109-6857
(21) 97190 3073

JOINVILLE

(47) 3227 44 41
(47) 9609 0827

Console de depuração do Joomla!

Erros

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco